Pesquisar este blog

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

Fratura exposta do apito

 O cartão nas mãos de Diego Souza além da desmoralização é uma fratura exposta na arbitragem brasileira

Diego Souza com o cartão que tomou do árbitro - Crédito: Pedro H. Tesch/AGIF 

No ultimo final de semana, na partida Grêmio 0x1 Corinthians, disputada na Arena Grêmio, em Porto Alegre, ocorreu uma cena triste e revoltante, pela passividade do árbitro, que chamou atenção e marcou, mais uma vez, de forma negativa a arbitragem brasileira.

O jogador Diego Souza, do time Gaúcho, literalmente tomou o cartão amarelo das mãos do árbitro Ricardo Marques Ribeiro, de Minas Gerais, revoltado pelo árbitro ter só advertido o goleiro corintiano Cássio, após este cometer uma falta fora da área. O pior da cena foi ver um arbitro atônito e surpreso com a atitude do jogador não tomar a única medida cabível no momento que seria a expulsão imediata do agressor, porque sim, tomar o cartão das mãos do árbitro foi uma agressão, não só a Ricardo Marques, mais a toda arbitragem brasileira.

Como ato seguinte, na cena cômica e digna de filme pastelão, para não dizer ridícula, Ricardo em vez de expulsar o contumaz indisciplinado, tirou do bolso outro cartão amarelo e mostrou ao jogador, não para puni-lo, mas para mostrar que tinha outro cartão de reserva no bolso, como se já estivesse esperando essa situação (veja abaixo).

Os homens de preto não se dão o devido respeito, não são respeitados como prevê a regra 5 das leis do jogo e na grande maioria não são árbitros, mas sim mediadores que apitam não querendo desagradar nenhum dos clubes e nem a comissão de arbitragem para estarem escalados na próxima rodada.

Após a partida, um dirigente gremista disse em entrevista que Ricardo já deveria estar aposentado, mas após uma cena como essa a sensação que fica é que realmente já está aposentado faz tempo e cumpre as escalas mais preocupado em receber a taxa de arbitragem do que em aplicar a regra com os rigores que a função exige.

Culpa dele? Não! Culpa de quem escala que não preparou alternativas para um arbitro aposentado em atividade que sempre entregou bem menos do que dele se espera para o nível de um arbitro que chegou ao quadro internacional e apitou grandes jogos.

Deixando claro que as críticas são dirigidas ao árbitro e nada pessoal contra Ricardo Marques, uma pessoa educadíssima que sempre me tratou com retidão e como cidadão tem minha admiração e respeito.