Pesquisar este blog

domingo, 28 de fevereiro de 2021

Em antevésperas de apitar jogo, árbitro da Federação Paulista participa de aglomeração em Piracicaba

Empresa de Lucas Bellote, promove evento causando aglomeração e desrespeito as orientações contra disseminação do Covide-19

Lucas Bellote - Crédito: Daniel Teixeira/Estadão

Neste sábado, 27 de fevereiro, antevésperas de atuar na rodada de abertura de Paulistão da Série A2, no clássico lusitano entre Portuguesa de Desportos e Portuguesa Santista, o árbitro Lucas Canetto Bellote, do quadro da Federação Paulista de Futebol (FPF) e da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), dá péssimo exemplo e desrespeita as orientações da CEAF paulista para evitar aglomerações para não colocar em risco de contaminação do coronavírus os demais membros da equipe de arbitragem e os jogadores das partidas em que estiver escalado.

A empresa do árbitro (Quality Ville Recreação, Esportes e Musculação Ltda) organizou, inclusive escalando os árbitros, torneio amador de futebol sem respeitar nenhum protocolo sanitário. O jogo foi realizado em uma quadra poliesportiva tradicional de Piracicaba (Arena Bernabeu) para um público de cerca de quinhentas pessoas, a maioria sem mascaras, com muito churrasco, bebidas e pessoas aglomeradas sem respeitar o distanciamento social e demais orientações para evitar a propagação do Covid-19.

Lucas Bellote esteve o tempo todo presente no evento com sua equipe de trabalho, circulando, cumprimentando, parabenizando e abraçando pessoas, muitas sem mascaras, assistiu a partida e participou do cerimonial de premiação, onde a grande maioria não usava máscaras como mostra as imagens deste post.

O cidadão Lucas Bellote tem todo o direito de trabalhar (respeitando todos os protocolos de segurança sanitária) por sua empresa, porém, como árbitro profissional da FPF, tem como obrigação evitar estar presente em eventos como este, principalmente no momento atual, uma vez que ele está envolvido no futebol profissional e pode se tornar um potencial disseminador do vírus e, além do impacto na sua vida pessoal e profissional, pode gerar prejuízo aos clubes e a equipe de arbitragem das partidas em que atuar.

Lucas Bellote (de mascara) assistindo o jogo com uniforme da empresa

É possível fazer esporte amador com todo protocolo sendo respeitado, como já foi feito, também em Piracicaba, pela AAPR durante a final da Copa Libertadores da Várzea, evento liberado e fiscalizado pelas autoridades municipais.

Fora não respeitar os protocolos repassados aos árbitros pela FPF, é preciso considerar que Bellote, que despontou como uma promessa da arbitragem, vem em queda livre na carreira e colecionando polêmicas em jogos, inclusive até com agressão em um jogo da Série B do Brasileiro, e está escalado no jogo da Portuguesa de Desportos, hoje o calcanhar de Aquiles da Comissão de Arbitragem,  por ter sido eliminada nas quartas de final do ano passado pelo XV de Piracicaba em partida com muitas polêmicas.

Não adianta campanha de conscientização de vacinação como está sendo realizada neste ano pelos clubes e FPF, se quem deveria ser exemplo não cumpre cuidados básicos de prevenção contra a pandemia.

Bellote durante a premiação para pessoas sem mascaras

A prática esportiva está proibida na cidade pelas restrições do Plano São Paulo, pois a região já conta com 86,5 mil casos confirmados e 1.594 mortes.

O que eles disseram

O Blog tentou contato com Lucas Bellote para que falasse sobre sua participação no evento, mas não houve resposta até o fechamento deste post.

Contatada, Ana Paula Oliveira, Presidente da Comissão de Arbitragem da FPF, se limitou a dizer que todos os árbitros foram testados para estarem na pré-temporada nos e jogos, o que não adianta muito se não respeitarem o protocolo participando de aglomerações e não respeitando o distanciamento social e demais itens de segurança sanitária contra o Covid-19 como mostrou esta reportagem. 




sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Árbitros ganharão até 7 mil por partida para apitar Paulistão 2021

Neste final de semana, será dado início para o Paulistão 2021 que tem final prevista para 23 de maio. A novidade será a utilização do VAR em todos os jogos e em todas rodadas com gastos custeados pela Federação Paulista de Futebol (FPF).

Obs. Na edição 2020, o VAR foi utilizado a partir dos confrontos do mata-mata.

Taxas

Seguindo com a gestão profissional e humana, a Comissão de Arbitragem da FPF, inovou mais uma vez com ao taxas diferenciadas para os árbitros da CBF e igualar as taxas do quadro local. Pelo divulgado, em uma final com equipe FIFA, o clube mandante vai desembolsar aproximadamente 30 mil reais de taxas, sem considerar diárias e logística.

Segundo a circular 054/2021, de 18 de fevereiro do corrente ano, os valores serão:

Árbitro FIFA:

Inicial: R$ 4.750,00

Quartas de final: R$ 6.200

Semifinais: R$ 6.700,00

Final: R$ 7.100,00

Quarto árbitro receberá 700,00; 900,00; 1.000,00 e 1.100,00 conforme fase descrita acima.

VAR e AVAR FIFA/CBF/FPF receberão entre 1.300,00 e 4.000,00, conforme sua categoria e fase do campeonato conforme descrito acima.

As diárias vão de R$ 150,00 a R$ 250 conforme a distância entre cidade do estádio e cidade da residência do árbitro.

Veja os demais valores na foto abaixo.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Ana Paula, muié macho, sim sinhô!

Dirigente surpreende, implanta gestão empresarial na arbitragem paulista, cria plano de carreira  e dispensa árbitros sem perspectivas e desmotivados 

Antes que leitores do Blog, seguidores das minhas redes sociais ou patrulheiros de plantão atribuam como pejorativo, sexista, misógino, preconceituoso ou ofensivo o título deste post, onde parafraseio trecho da letra da música “Paraíba”, do imortal rei do baião Luiz Gonzaga, quero esclarecer que é justamente ao contrário! O titulo é elogioso!

Dito isto vamos aos fatos que realmente interessa.

Ana Paula Oliveira, nas suas atribuições de presidente da comissão de arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF), foi muito mais homem que muitos homens que veste calça ou que use patente, na sua função anteriormente. Ao tomar a atitude de excluir árbitros e assistentes, fora dos planos da comissão, do quadro de prestadores de serviços da FPF, abre assim espaços para dar oportunidades para os novos árbitros que são formados todos os anos e outros que já fazem parte do quadro a muitos anos e ainda não tiveram a tão sonhada oportunidade, pelo fato do quadro estar inchado, saturado e composto na sua maioria por árbitros em fim de carreia e que não se enquadram mais no que exige hoje a arbitragem moderna.

Gestores da arbitragem estadual e nacional como: Coronel Marinho, Sérgio Corrêa, Alício da Penna Júnior, Arthur Alves Júnior, Dionísio Domingos, Jorge Rabello, Ednilson Corona, José Henrique de Carvalho e até mesmo Leonardo Gaciba entre outros, prometeram em um primeiro momento, mas não tiveram a coragem, a determinação e atitude que a Ana Paula teve para fazer uma limpa deixando o departamento mais enxuto, ágil e renovado.

A ação no setor de arbitragem da FPF já era necessária, não agora, mais a décadas, assim como se faz necessário em praticamente todos os departamentos de arbitragens das demais federações do país e da CBF com quadros de arbitragens, composto na grande maioria, com árbitros com 40 anos ou mais que, no máximo, estão apitando categoria de base ou levantando placa de substituições e aguentando reclamações de técnicos e jogadores reservas. Se deixar, este perfil de árbitro acomodado seguira cumprindo as escalas até o ultimo dia de sua carreira, pois para ele não importa mais a importância da partida, mas sim a grana da taxa que já faz parte do seu orçamento e a rotina que já esta acostumado.

Difícil é aparecer dirigente com coragem, assim como Ana Paula, para enfrentar os apadrinhados dispensando os que não tem condições técnicas ou que tenham problemas nos pilares de sustentação da função. Claro que antes é necessário um rigoroso estudo do perfil e do currículo para que não se cometa injustiças tendo o cuidado de antes da dispensa dar as oportunidades para que o árbitro possa demonstrar, ou não, suas qualidades dentro de campo.

Ao assumir o comando da arbitragem na CBF, Cel. Marinho viajou o país prometendo oportunidades e gestão profissional aos árbitros, mas faltou coragem - Foto: Marçal

Acredito que, devido a pandemia, o momento não foi o ideal, mas, mais do que administrar sonhos dos árbitros, Ana Paula foi contratada para ser gestora de um departamento e está fazendo justamente aquilo que dela se esperava, com erros é verdade, mas com muitos acertos também e este espaço não poderia deixar de parabeniza-la por implantar um sistema que defendo até mesmo antes de fazer parte desta categoria, onde a autoestima e elevadíssima e a autocritica praticamente inexiste. O impacto político e social do corte é ruim, mas fará muito bem para o quadro a médio e longo prazo, desde que esta política continue nos anos vindouros.

A iniciativa de retirar do quadro aqueles que não correspondem nos pilares exigidos e nem tecnicamente dentro de campo, deveria ser seguida por membros de todas as Comissões Estaduais e pela própria CBF. Uma total reformulação no quadro de árbitros, excluindo os que não terão como seguir um plano de carreira e oportunizar aos mais jovens o espaço necessário para o desenvolvimento de suas aptidões seria o ideal e certamente traria uma melhora significativa na categoria.

Como se diz no interior: Ana Paula teve "saco roxo" que os frouxos não tiveram por conta do corporativismo machista, o conhecido clube do bolinha!

Que a atitude inspire os demais dirigentes do apito e que a arbitragem deixe de ser um coração de mãe e caminhe a passos largos para uma gestão profissional separando o joio do trigo para que cada um possa render aquilo que dele se espera ou que abra caminho para outro profissional ocupar seu lugar e desempenhar a função.

Parabéns Ana! 

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Safesp ignora justiça ao não entregar computadores para perícia!

Como é do conhecimento de todos, o Safesp - sindicato dos árbitros de São Paulo - registrou queixa crime contra mim afirmando que eu hackeei os computadores da entidade para obter documentos importantes e sigilosos publicados no site apitonacional e nas minhas redes sociais.

Os citados documentos comprovaram a ligação do sindicato com a empresa do ex-árbitro Daniel Destro.

Acontece que em laudo "inconclusivo" realizado pelo profissional de TI Daniel Destro, parte interessada e anexada aos autos, o MP - Ministério Público - além de não aceitar o laudo, pediu perícia técnica a ser realizada no instituto de criminalística nos computadores do sindicato paulista e determinou a entrega imediata dos mesmos, primeiro através do ofício 1294/20 de outubro de 2020 e recentemente através do ofício 28/21 de 12 de janeiro de 2021, como mostra a foto deste post. Até o presente momento, os computadores não foram entregues no 23’ DP, nas Perdizes, conforme determinou à justiça.

 Porquê será que os dirigentes do Safesp estão com medo de entregar os PCs à justiça🤔! De não conseguirem comprovar a calúnia que me atacaram e responderem eventuais processos de denunciação caluniosa, litigância de má-fé entre outros?

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Emerson Augusto é demitido da FPF

Redução no quadro foi o motivo oficial para demissão, mas bastidores dizem que presidenta e vice já não falavam a mesma língua e divergiam de varias decisões

O ex-assistente FIFA, Emerson Augusto de Carvalho, 48 anos (24/06/1972), com participação nas duas últimas Copa do Mundo, foi dispensado, na ultima segunda-feira (18), do cargo que exercia na vice-presidência da Federação Paulista de Futebol (FPF).

Padrinho de casamento do ex-árbitro Sandro Meira Ricci, com quem atuou em duas Copa do Mundo, dois Mundiais de Clubes e uma Olimpíada, Emerson deixa a CEAF paulista treze meses após ter sido anunciado vice de Ana Paula Oliveira que substituiu Dionísio Roberto Domingos no comando da arbitragem paulista.

Segundo Ana Paula Oliveira disse ao Blog, foi necessidade de reduzir o quadro interno, mas nos bastidores, as informações são bem diferentes. Uma fonte próxima à comissão informou que os dois – Emerson e Ana Paula – já não falavam a mesma língua a algum tempo e que divergiram em diversas decisões desde que assumiram o cargo em dezembro de 2019.

Segundo a fonte, os atritos dificultaram a permanência do ex-mundiaista no cargo e sua demissão era questão de tempo. Com o processo de fritura consolidado, para a fonte, a demissão retira da comissão de arbitragem o único membro com nome e currículo para questionar qualquer decisão ou mudança proposta por Ana Paula.

O Blog entrou em contato com Emerson Carvalho que confirmou sua saída da CEAF, mas apesar da insistência, não quis revelar motivos e nem seus planos para o futuro como uma possível volta aos gramados como assistente.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Insensível à pandemia, Federação Paulista reduz 30% do quadro de árbitros 

Cerca de 150 árbitros receberam carta informando que não faziam mais parte do quadro para temporada 2021

Foto crédito: FPF

O departamento de arbitragem da entidade, comandado pela ex-assistente FIFA Ana Paula Oliveira, promove este ano, um corte recorde e jamais visto em seu quadro de prestadores autônomos para serviços de arbitragem, justamente em momento em que se agrava pandemia, onde, em muitos casos, a taxa de arbitragem é a única fonte de renda do árbitro e pai de família.

Conversei com alguns desses profissionais que até entendem a atitude da entidade que tem o direito de escolher os profissionais com quem vão trabalhar, mas lamentam a hora e a forma como foi feita, pois poderia ser antes destes perderem tempo e dinheiro, que muitas vezes não tinham, para preparar documentação, incluindo exames médicos, para anexar na ficha de inscrição.

Todos os dispensados foram pegos de surpresa quando receberam e-mail da Ceaf paulista informando que suas inscrições não seriam aceitas destruindo sonhos e perspectivas de trabalho. A comissão da FPF vai na contramão da história, sem gestão humanizada e total falta de inclusão social tendo em vista que a CBF pediu à sua comissão que não fosse feito alterações no quadro por conta da pandemia.

Vale ressaltar que enquanto a entidade Paulista não deu nenhuma ajuda aos árbitros por conta da crise sanitária que passamos, a CBF distribui quase dois milhões de reais para o quadro nacional.

Se é pra diminuir o quadro e o corte gira em torno de 150 árbitros, porque "ressuscitar" árbitros como Péricles Bsssols, porque importar de outro Estado, como Daiane Muniz, e promover cursos atrás de cursos, se bem que o intuito é de arrecadar valores para os cofres da FPF.

Carta enviada pela Ceaf Paulista aos árbitros dispensados

O que eles disseram

O Blog entrou em contato com Ana Paula. Segundo a chefe da arbitragem paulista, a redução se faz necessário e o corte será em torno de 11% do quadro. Segundo ainda a dirigente, foram analisados histórico técnico e físico, performance e recorrências na corregedoria dos árbitros dispensados que foram avisados via carta com agradecimentos pelos serviços prestados.

Tentei contato, mas o presidente do Safesp não fala com o Blog. A entidade sindical, em um primeiro momento, questionou as dispensas, mas recuou após pressões e deletou matéria publicada sobre o assunto no site oficial.

Atualizado: 16/01/2021 às 02:59

Cerca de uma hora após este post ser publicado, o site do Sindicato dos Árbitros de São Paulo (Safesp), voltou a publicar matéria onde, de forma tímida e sem contestar a decisão, diz que se reuniu, sem dizer quem, com a FPF para conversar sobre a dispensa dos árbitros.

A matéria primeiramente diz que chegou a entidade a informação da dispensa dos associados. Depois relata que foi atendido por Ana Paula e por fim que espera que os dispensados sejam reintegrado no futuro. Na verdade, seja quem for que foi em nome do Safesp na FPF, não foi para uma reunião, mas sim para dizer amém a decisão da CEAF paulista.

Não posso deixar de mencionar, que todos os membros da atual diretoria do sindicato, de forma subservientes, são ligados, de uma forma ou de outra, a FPF de quem depende para serem escalados, motivo pelo qual, jamais qualquer um deles vai questionar qualquer decisão para não por seus interesses em jogo.

quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

FELIZ ANO NOVO VELHO: Péricles Bassols desaposenta para apitar Paulistão 2021

Aposentado desde 2017, carioca de 45 anos vai ser principal atração do apito paulista na próxima temporada

Péricles Bassols - Crédito: CBF

A arbitragem paulista vem recebendo críticas a anos pela falta de renovação no seu quadro. Seus principais árbitros, Raphael Claus, Luiz Flavio e Flavio Souza estão na casa dos 40 anos e nenhum dos nomes lançados nas últimas temporadas conseguiram se firmar.

Quando assumiu o comando da comissão de arbitragem no fim de 2019, Ana Paula Oliveira prometeu, entre outras, trabalhar duro em busca de novos valores, mas não foi bem isso que ocorreu. Basta consultar os árbitros que foram utilizados nas finais das cinco principais divisões do estado deste ano, onde, com raríssimas exceções, muitos deles com idade avançada, anos e anos de quadro e sem nenhum destaque, tanto a nível estadual, como nacional. Os chamados árbitros da reborréia, como diria um ex-dirigente do apito paulista.

Sem perspectivas que um deles sobressaia e sem esperanças que algum fenômeno desponte repentinamente no atual quadro, a aposta agora será em um árbitro aposentado em 2019, desatualizado e que virou comentarista de arbitragem e, por vezes, tecendo críticas aos atuais árbitros. O polêmico Péricles Bassols Pegado Cortez, um ex-árbitro com 45 anos de idade (03/07/1975), que foi árbitro do quadro carioca de 2007 a 2015 onde teria saído pelas portas do fundos após dezenas de polêmicas e atritos com o então presidente da Coaf, Jorge Rabello, se torna do dia para a noite a principal esperança e aposta da CEAF Paulista.

Bassols ingressou no quadro da FIFA em 2010 e saiu no fim do mesmo ano perdendo a vaga para Gutemberg Fonseca. Bom de bastidores, retornou em 2012 permanecendo até o fim de 2017 quando deixou o quadro internacional  por deficiência técnica. Namorou a bela ex-assistente FIFA Paulista Maria Eliza Correia Barboza, mas ficou marcado mesmo pela final do campeonato brasileiro de 2011 ao não marcar pênaltis para o Vasco nos dois jogos contra o Flamengo.

Segundo informações de bastidores, na época de ad Boy, quando era conhecido como ‘Menino do Rio’, teia sido filiado a torcida organizada Young Flu.

Atuou por dois anos no futebol pernambucano (2016/2017) de onde saiu da mesma forma que entrou, ou seja, sem ser percebido ou deixado qualquer legado. Foi contratado no início de 2019 pela Turner onde desempenhou a função de analista de arbitragem até dezembro deste ano. Morando em São Paulo, surpreendentemente alinhavou sua vota ao apito na maior federação do país que gasta cerca de três milhões anuais só com a arbitragem.

Ex-árbitro atuando como comentarista de arbitragem da Turner - Crédito: Twitter

Na manhã desta quinta-feira, último dia do ano, entrei em contato com Ana Paula de Oliveira que gentilmente respondeu confirmando Péricles como árbitro em campo, mas com prioridade para atuar no VAR a partir do próximo Paulistão.

A edição do Campeonato Paulista de 2021 tem início em 28 de fevereiro e a grande novidade ficara por conta da presença do VAR (árbitro de vídeo) em todas as partidas, incluindo a fase de grupos sendo que os gastos serão todos da Federação Paulista de Futebol (FPF).

Na temporada deste ano, o árbitro de vídeo foi utilizado apenas no mata-mata.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Cabidão de emprego e as lambanças da comissão de arbitragem da FPF

Desatenção em modelo de declaração de próprio punho obriga quadro refazer cadastro para temporada 2021

Mesmo com gigantesco recursos monetário e de estrutura e vários membros a disposição, o que transforma o departamento em um verdadeiro cabidão de emprego, a Comissão Estadual de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol, que tem como Presidente Ana Paula Oliveira, abusa do direito de cometer erros, muitos deles aqui relatados ao longo dos anos, como mais esse a seguir.

Desde os tempos que Ana Paula era assistente sensação e requisitadas em todos os jogos e até os dias de hoje, os árbitros, em época de renovar inscrição no quadro estadual de arbitragem, são obrigados a redigir uma declaração de próprio punho, seguindo um modelo disponibilizado pela FPF, requerendo sua inscrição.

Neste ano, referente temporada 2021, não está sendo diferente. Ocorre que o modelo deste ano, que o Blog teve acesso, como você pode ver abaixo, diz que as taxas seriam pagas pelos clubes mandantes ao Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (Safesp), que por sua vez repassaria aos árbitros como ocorria até o fim do ano passado.

Porém, o termo de parceria entre FPF e o Sindicato foi encerrado, quando da eleição de Aurélio Sant'Anna e Regildenia de Holanda Moura, para o presente mandato, que se manifestaram publicamente contra o acordo.

O Blog entrou em contato com Ana Paula, presidente da CEAF paulista, perguntando sobre o documento que alegava parceria com o sindicato. O Blog ainda indagou se não seria algum tipo de erro, até mesmo que ela própria, é citada como 'senhor' no documento, mas a dirigente negou a existência da parceria com o sindicato no documento e afirmou que só o pagamento das taxas do feminino seria via Safesp, como você pode conferir abaixo.



Só que em menos de 30 minutos após contato do Blog, a FPF não só alterou o modelo da declaração no portal do árbitro, como estendeu o prazo via grupo de whatsapp para a entrega da nova declaração, desta vez sem mencionar que receberiam as taxas do Safesp, como você pode ver abaixo.

A estrutura da FPF é inchada, cara e não apresenta grandes resultados, principalmente se levando em consideração o custo benefício. Para piorar as coisas, se equivocam costumeiramente e cometem erros primários, o que é inadmissível e prova cabal de que nem sempre ser bom dentro de campo significa que terá bom desempenho como gestor nos gabinetes com poltronas macias e ar condicionado.

Desta vez o recurso "copiar e colar" falhou e se não fosse os questionamentos deste Blog, pelo qual não recebeu qualquer agradecimento, mas provavelmente críticas, mais um erro grave foi evitado, desta vez contra o edital de inscrição, desta comissão abastada em recursos, mas péssima em resultados.

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Falta de renovação na arbitragem Paulista e o machismo na CBF

 Em São Paulo, Ana Paula Oliveira assumiu a presidência da Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF) no final de 2019 e com uma comissão mais jovens, prometeu uma renovação no quadro de árbitros e uma gestão mais moderna. Até agora não saiu da promessa!

Ana Paula Oliveira chefe da arbitragem paulista — Foto: Rodrigo Corsi/FPF

A Comissão comete os mesmos erros das comissões anteriores escalando no Campeonato Paulista Sub-23, árbitros do quadro nacional para partidas das rodadas simples, como Vinícius Gonçalves Dias Araújo na partida Jabaquara x Itararé, Adriano de Assis Miranda em Independente x Osvaldo Cruz, Rafael Gomes Félix da Costa no confronto Mauá x Amparo, Thiago Duarte Peixoto em Bandeirante x XV de Jaú e Márcio Henrique de Góis em Francana x Rio Branco.

E aí vem a pergunta: Cadê a tão falada renovação Ana Paula?

Respeita as minas CBF

Já a CBF, que fez evento para promover a final do Brasileirão Feminino, que diz tanto em empoderamento feminino, que investiu e investe cada vez mais na categoria, dá exemplo de machismo ao escalar no primeiro jogo da final um árbitro do quadro masculino da FIFA, com mulheres de assistentes e no VAR e o resto da equipe composta por homens.

Jogo de ida entre Corinthians e Avaí na Arena Itaquera - Crédito: Frederico Tadeu/Avaí

Será que Edina Alves Batista (SP), seis jogos na Série A do brasileiro deste ano; Rejane Caetano da Silva (RJ), jogos na C e D; Thayslane de Melo Costa (SE), jogos na C e D; Deborah Cecília Cruz Correia (PE), jogos na C e D; Charly Wendy Straud Deretti (SC), jogos na C e D,  todas elas com escudo FIFA não poderiam apitar as finais? Se não, porque ostentam o escudo internacional? Falta de opção? Falta de confiança da Comissão NAS MINAS ou o que?

Pelas escalas, e como diz Sérgio Corrêa, as escalas falam, as árbitras servem para apitar as partidas do masculino e não servem para atuar nos confrontos decisivos do feminino. Confesso que tento entender, mas não consigo!

Alguém do comando da arbitragem na CBF poderia responder ao Blog e também aos leitores e amantes do futebol e da arbitragem, que torcem verdadeiramente pelo esporte mais popular no mundo.

Atualizado: 13:10hs: Segundo informações pós postagem, o paranaense Paulo Roberto JR. seria o escalado para a partida da volta da final do feminino entre Corinthians e Avaí, que será disputada no dia 6 de dezembro em Florianópolis-SC.

sexta-feira, 6 de novembro de 2020

SAFESP é subserviente à FPF em pagamento do Paulista Feminino

Entidades estariam cometendo possíveis irregularidades conforme lei de incentivo ao esporte

O Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (Safesp), publicou chamada em seu site oficial, onde convoca os árbitros que estão atuando no Campeonato Paulista Feminino 2020 para receberem as taxas de arbitragem das partidas.

A chamada, em minha opinião, não é necessária, tendo em vista que a maioria dos árbitros são associados e a entidade tem os dados bancários, bastando pagar.

Mas extraoficialmente está sendo quase que implorado que os árbitros quitem a anuidade e façam a doação dos 3% para que o Sindicato possa honrar com seus compromissos, principalmente salários das funcionarias e despesas básicas, dentre elas supostamente cinco meses de energia elétrica.

Ocorre que o Safesp pagará as taxas do feminino por um único objetivo, o Campeonato Paulista Feminino 2020, à exemplo de anos anteriores, é realizado por meio de Convênio Público da Lei de Incentivo Paulista do Esporte, firmado entre a Federação Paulista de Futebol e o Governo do Estado de São Paulo por intermédio da Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude.

A FPF possui outros convênios nos mesmos moldes de aporte financeiro com o Governo do Estado.

Os convênios dessa natureza são regulares e normais entre as entidades do desporto e associações que buscam o desenvolvimento e a prática esportiva, de lazer e recreação, seja de forma participativa ou no alto rendimento, mas por se tratar de repasse de recursos públicos, mesmo que indiretamente, eles são fiscalizados pelo Governo e devem contratar fornecedores e prestadores de serviços que tenham como objetivo final o fornecimento do serviço e/ou bem contratado/comprado, com os melhores preços e a sua documentação fiscal, trabalhista e previdenciária em dia. As contratações ainda devem ocorrer, preferencialmente via chamamento, como exemplo a própria FPF  já está fazendo para o Feminino de 2021.

Para cada bem ou serviço, é necessário no mínimo três orçamentos de empresas idôneas à manter relações com a administração pública.

Agora é que começa as supostas irregularidades em relação ao fato de o Safesp pagar as taxas de arbitragem do Campeonato Paulista Feminino.

Se o Safesp pagará às taxas é porque apresentou, quando do chamamento para fornecimento, melhor proposta financeira e atendeu todas as exigências da lei e será o responsável direto pelas escalas dos oficiais de arbitragem que irão trabalhar na competição.

Mas na prática, não é bem assim. O sindicato esta se colocando mais uma vez na condição de submisso aos interesses da FPF e apenas vai pagar os prestadores de serviços, sem ser o responsável direto pelas escalas. As designações estão sendo feitas pela Comissão de Arbitragem da FPF, que tem Ana Paula Oliveira como presidente e usando-se dos árbitros inscritos no quadro de arbitragem da FPF conforme print abaixo:

A escala completa do feminino e de todas as rodadas estão no portal da FPF (clique aqui e confira).

A contratação também deve ter ocorrido de forma equivocada, pois é do conhecimento de todos, inclusive da própria FPF, que o Safesp não está com suas certidões em dia, principalmente a do ISS, pois o atual presidente Aurélio Sant´Anna Martins, que está licenciado, disse ter pedido ajuda à FPF, mas em consulta ao portal da Prefeitura de São Paulo, o Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo está sem suas certidões legais em dia e em vigência.



Não é possível também obter a Certidão Mobiliária da Prefeitura de São Paulo.

Os problemas com certidões são em outras instâncias e órgãos também. Por exemplo a CND Federal é obrigatória e não sai.

Mediante estes fatos, como pode a FPF contratar o Sindicato como fornecedora dos serviços de arbitragem para o Campeonato Paulista Feminino, uma vez que esse serviço será pago por meio do incentivo estadual e é parte do processo administrativo e plano de trabalho junto à SELJ.

O projeto na integra pode ser acessado no portal de Transparência do Governo Estadual e no site da Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo, ou ainda pelo site www.lpie.sp.gov.br (Clique aqui).

O Blog encaminhou e-mail para a comunicação da FPF com pedidos de esclarecimentos e o envio de documentações para que sanasse definitivamente as dúvidas, porém até o fechamento desta matéria, não obtivemos retorno. Dentre as nossas considerações perguntamos, por exemplo:

- Quais empresas enviaram orçamento para a prestação de serviços de arbitragem?

- O contrato e o orçamento enviado pelo Safesp à época.

- Como o Safesp pagará a arbitragem se não é quem fornece os árbitros?

- Se a FPF, supostamente a pedido dos árbitros, está pagando as taxas dos demais campeonatos diretamente aos mesmos, porque no Feminino se optou pelo Safesp?

Também mantive contato com o presidente da Federação Paulista de Futebol, Sr. Reinaldo Carneiro Bastos, que prontamente respondeu com o respeito e a cordialidade de sempre e informou que:

“Toda e qualquer denúncia deve ser esclarecida sempre.

Garanto a você que não há irregularidades no nosso convênio com Selj para apoio do futebol feminino de São Paulo.

Este convênio existe há alguns anos e nossas prestações estão todas aprovadas”.

Em relação às nossas perguntas sobre o Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo, Reinaldo Carneiro, informou:

“Não conheço a situação do Sindicato dos Árbitros, mas a pedido dos nossos árbitros pagamos a todos eles diretamente, sem passar pelo Sindicato.

Assunto sobre arbitragem, resolvemos com os nossos árbitros.”

Reinaldo Carneiro mostrou-se muito digno e atencioso para com o Blog e tenho a plena certeza de que irá apurar as irregularidades aqui apontadas e se for o caso, responsabilizar os responsáveis por eventuais equívocos ocorridos na esfera da sua entidade.

Quanto ao Safesp, o seu presidente licenciado estará concorrendo nos próximos dias ao cargo de vereador na cidade de Jacareí e se eleito, espero que renuncie ao cargo de Presidente e se perder o pleito municipal, que se empenhe em realmente trabalhar dignificando o cargo para o qual foi eleito, pois até o presente momento, nada fez pra isso.

Quanto a presidente em exercício, Regildênia de Holanda Moura, continua cumprindo suas escalas e compromissos com o futebol profissional enquanto o prédio da entidade continua fechado e abandonado as traças.

Há quem diga que o Safesp feche as portas definitivamente nos próximos meses, se nada for feito.