Pesquisar este blog

segunda-feira, 1 de julho de 2019


Eleições no Sindicato Paulista

Justiça valida chapa 1 e determina reabertura do processo eleitoral em até 30 dias


Na tarde da ultima quinta-feira (27), a justiça divulgou decisão sobre o processo eleitoral que vem ocorrendo no Sindicato dos Árbitros de São Paulo (Safesp). A ação foi movida pelo candidato oposicionista Aurélio Sant’anna Martins que alegou ter sido impedido de concorrer à presidência da entidade por não residir na capital como prevê o regimento eleitoral de 2003 que foi utilizado no pleito.

O regimento prevê na leta H a inelegibilidade do candidato que não residir no município onde estiver instalada a sede administrativa da entidade. Martins reside em Jacareí, município localizado no Vale do Paraíba e distante cerca de 80 km da capital. 

Na decisão, a juíza Raquel Marcos Simões, da 86ª Vara do Trabalho de São Paulo, reconheceu a legalidade da chapa 1 com base no regimento eleitoral de 2004 e determinou que o mesmo seja usado na reabertura do processo eleitoral que deve ocorrer em até 30 dias. A magistrada decidiu ainda manter a atual diretoria no comando da entidade até que seja definido um novo presidente.

Pito!

A juíza Raquel Simões deu um pito (bronca) no candidato oposicionista quando este requereu que fosse retirada do regimento eleitoral a exigência dos candidatos não estarem atuando para que ele e a candidata a vice, Regildênia Moura, voltassem a atuar no futebol profissional: “é inadmissível a parte autora afastar-se do regimento eleitoral para usufruir do mesmo nas condições que apenas o favorece” – frisou a magistrada (veja abaixo).


Procurado, Leonardo Pedalini, vice-presidente e atual mandatário do Sindicato, disse que decisão judicial se cumpre ou recorre da mesma, mas que vai se reunir com a assessoria jurídica do sindicato nesta segunda-feira (1) para analisar a decisão e só após ira se pronunciar.

Veja abaixo a decisão judicial.


A decisão cabe recurso.

Nota do Blog

Lamentavelmente e como previ com antecedência, a eleição no Safesp, que teve findado o mandato atual em abril deste ano, ainda não ocorreu e provavelmente não será realizada em curto prazo tendo em vista que a briga judicial ainda vai continuar por mais algum tempo, pois tudo indica que a atual diretoria deve recorrer desta decisão judicial, que não é definitiva e cabe recurso o que deve levar um bom tempo até que tudo se resolva.

Desde o começo do processo eleitoral sou contra as duas chapas concorrentes por entender ser um retrocesso na entidade seja qual for a vencedora. A entidade só vai prosperar e representar realmente o associado como ele merece quando for eleito um presidente que não seja subserviente e principalmente, que não tenha qualquer tipo de ligação com entidades do futebol, como FPF e CBF.

Entendo que o atual presidente e candidato a reeleição, Arthur Alves Junior, não tem mais as mínimas condições de continuar no cargo. Poderia citar uma serie de motivos que já é de conhecimento de todos, mas Arthur se tornou um peso morto no cargo, abandonou a tempos a entidade e hoje, como fazia antes quando era funcionário da Federação Paulista de Futebol, serve aos interesses da CBF que o colocou na presidência de uma comissão de arbitragem em outro estado a quase três mil km de distancia do Safesp.

Por outro lado, com seu comportamento pessoalista, Aurélio Sant’anna e os demais membros da sua diretoria, já deram entender que pouco estão ligando para o sindicato e provavelmente não hesitarão em usar a entidade em interesses próprios. Basta saber que alguns deles usufruíram e presenciaram tudo de ruim que ocorreu na entidade nos últimos anos e calaram-se nos momentos que tiveram oportunidade de se manifestarem.

O candidato de oposição sequer compareceu na ultima assembleia de prestação de contas do sindicato, o que mostra estar mais preocupado em servir a si mesmo e a FPF, fato comprovado ao pedir autorização da justiça para voltar a apitar e ao não participar das decisões da entidade que pretende ser gestor, o que demonstra quais são suas reais intenções.

Lamento que a juíza não tenha determinado um novo processo eleitoral partindo do zero tornando inelegível todos os membros das duas chapas concorrentes, o que abriria oportunidades para o surgimento de novos candidatos isentos e que poderiam trazer esperanças de novos e melhores dias para a categoria.

Como a eleição será mesmo entre essas duas chapas, os associados vão decidir pelo menos pior. Um candidato que pretende administrar a entidade a quase três mil km de distancia e outro que, menos distante é verdade, mas também a distancia e sem voz para lutar pelos direitos dos seus associados tendo em vista que será prestador de serviços à entidade que as vezes terá que se opor.  

Essa é a dura realidade de um sindicato tido por muitos como o maior e mais organizado do país, mas que não passa de um elefante branco abandonado pelos seus dirigentes, pelos seus associados e na mira constantes dos interesseiros e seus vassalos.

sexta-feira, 14 de junho de 2019


Safergs lava roupa suja em assembleia!

Auditoria externa deve apontar desvio de cerca de 400 mil das contas da entidade


No inicio da noite desta sexta-feira (14) será realizada assembleia geral extraordinária na sede do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado do Rio Grande do Sul (Safergs). Como assunto principal a leitura do relatório da auditoria externa realizada nas contabilidades da entidade no período 2013 a 2017.

Segundo uma fonte em POA, o relatório vai apontar que aproximadamente 400 mil reais escoaram pelos ralos do sindicato com destino ignorado nesse período. Também segundo essa fonte, até mesmo o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Novelleto, será mencionado no relatório por conta de um suposto cheque de 125 mil reais, com recibo de 100 mil, do Safergs nominal a FGF assinado por Carlos Castro (Castrinho) e sacado na boca do caixa com destino também ignorado.

A fonte ainda disse que até mesmo o ex-presidente Ciro Camargo será citado por má gestão ou negligencia com as contas da entidade sendo que gastos em torno de 120 mil reais em seus mandatos não foram devidamente comprovados.

A reunião promete debates acirrados e ampla lavagem de roupa suja que pode até mesmo levar dirigentes e ex-dirigentes para a cadeia, tendo em vista que o relatório já foi entregue ao Ministério Publico e delegacias relacionadas a crimes contra o patrimônio.

Francisco Novelleto sendo homenageado pelo Safergs por "serviços prestados"  Crédito: Facebook

Este espaço esta aberto para quem foi citado ou tiver algo relevante a acrescentar sobre o assunto e voltara com mais detalhes assim que surgirem novas informações.

O que eles disseram

O Blog tentou contato com os citados na matéria, mas não recebeu retorno até a publicação desta postagem.

O presidente do Safergs, Maicon Zuge, disse que não tem informações sobre o relatório e que ficará sabendo somente na assembleia juntamente com os demais associados quando for apresentado pela empresa contratada.

"Contratamos uma empresa externa especializada justamente para não estar nos envolvendo com esse assunto. Não vamos acusar ninguém, mas usar o relatório da empresa para tomar as medidas cabíveis e necessárias para preservar os interesses da entidade" - disse Zuge.

segunda-feira, 15 de abril de 2019


SAFESP e o ISS
Muito se tem falado sobre a demanda judicial envolvendo o Safesp – Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo - e a Prefeitura do Município de São Paulo por conta de tributos (ISS – Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) não pagos. E a maioria fala sem saber bulhufas do que estão falando.

Teve um Blog - que até um passado próximo tinha muita credibilidade e isenção, mas que seu autor surtou após longos dias reclusos -, que pegando carona em outro que, por rancor, só sabe jogar pedra em vidraça alheia para cobrir sua incapacidade quando na ativa, afirmou que os valores foram descontados das taxas dos árbitros e não repassados a prefeitura. Uma total desinformação para não dizer maldade pura para tumultuar o processo eleitoral sendo que a briga jurídica existe a pelo menos três anos e só agora, no período eleitoral, tornou se publico e principal assunto de alguns lideres de redes sociais.

Primeiramente esclareço que os valores do ISS dos árbitros de futebol nas competições da Federação Paulista de Futebol (FPF) são repassados à Prefeitura diretamente pela FPF e constam dos borderôs, sem passar pelo Safesp. Portanto os valores da demanda entre sindicato e poder publico não tem nada a ver com os árbitros como alguns desinformados propagam em canais de comunicação e nas redes sociais.

Prefeitura e do Safesp trocam processos na justiça

A demanda judicial realmente existe (acima) e os valores se aproximam dos 400 mil reais. De um lado a Prefeitura entende que o sindicato deve e o sindicato por sua vez se defende tentando provar que pelos requisitos constitucionais, como entidade sindical é imunes ao ISS conforme artigo 150 da constituição Federal de 1988 que diz:

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

VI -  instituir impostos sobre:
c)  patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei.

Portanto o Safesp é beneficiado pela lei e o poder público não pode instituir impostos sobre a entidade dos árbitros.

Imunidade renovada

Na verdade existem seis processos: três do Safesp contra a PMSP e três da PMSP contra o Safesp. Todos eles relacionados ao mesmo tema e todos eles decorrentes da isenção prevista no artigo 150 da CF. O que a PMSP está cobrando do Safesp é ISS de 2012 e 2013 e por sua vez o Safesp tenta provar que é isento a esses tributos que a prefeitura esta cobrando por não reconhecer a declaração de isenção da entidade.

No município de São Paulo, para obter essa isenção é necessário que a entidade acesse o site do Sistema de Declaração de Imunidade (SDI) e preencha cadastro que deve ser renovado anualmente. Esta regulamentação municipal foi instituída à época para readequação do sistema de notas fiscais eletrônicas que obrigou às entidades privadas sem fins lucrativos a efetuarem um cadastro junto à prefeitura para gozarem do beneficio instituído pela Constituição Federal como descrito acima.

O problema acontece desde que, por um erro, a Sub Prefeitura da Lapa atribuiu dois CCM´s (Cadastro de Contribuinte Mobiliário) ao Safesp, sendo que o original (CCM: 8.675.701-6) esta em uso normalmente e o outro (3 .456.652-3), cancelado em abril de 2012, pertencia a uma casa noturna, que alguns diziam ser uma boate de garotas de programas.

Prefeitura nega imunidade ao Safesp por duplicidade de CCMs

Esse conflito de contribuintes mobiliário foi o motivo pelo qual a PMSP negou à época a imunidade ao CNPJ da entidade. Inclusive o erro foi reconhecido, foi corrigido o que prova que o sindicato goza da imunidade uma vez que a própria prefeitura concedeu a imunidade em todos os anos seguidos, inclusive 2019, o que torna uma cobrança indevida.

As informações aqui postadas são publicas e podem ser consultadas utilizando-se apenas o CNPJ do Safesp (CNPJ:51.736.908/0001-07) nos respectivos portais.

Espero ter dado minha contribuição para esclarecer esse assunto que esta sendo usado, indevidamente, na politica da entidade na tentativa manipular os associados na busca pelo voto.

Antes que alguém me acuse de defender um dos lados, informo que acompanho essa briga jurídica desde seu inicio e acho injusto ser usado apenas para tumultuar o processo. Também esclareço que não defendo e não apoio nenhuma das chapas, pois desde a época de árbitro, sou contrario que pessoas dependentes do sistema, como a maioria dos integrantes das duas chapas são, dirija a entidade.

quinta-feira, 4 de abril de 2019


CBF: Nova gestão? Nova comissão de arbitragem!!!
Rogério Caboclo assume na terça (9) e deve mudar comando da arbitragem brasileira; Sálvio, Gaciba, Ricci, Paulo César e Renato Marsiglia foram sondados

Rogério Caboclo assume a CBF na terça-feira (9) - Crédito: Gazeta Press

O novo presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Rogério Langanke Caboclo, assume, de fato, a entidade na próxima terça-feira (9) com discurso de "integridade", mas com grandes desafios pela frente. 

Caboclo, que tem 46 anos, braço direito de Marco Polo Del Nero desde quando este comandou a Federação Paulista de Futebol (FPF), construiu sua carreira como burocrata do futebol, sem manchas no currículo, desconhecido do grande público e herda agora o comando de uma entidade envolvida em escândalos de corrupção no passado. Os três antecessores de Caboclo (Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Del Nero) foram acusados de corrupção pelo Departamento de Justiça dos EUA. Destes, Marin foi condenado e está preso desde maio de 2015 nos EUA.

Não é novidade para ninguém que Del Nero, presidente da CBF de abril de 2015 a dezembro de 2017 quando foi banido do futebol, pretendia conseguir mais dois mandatos para só deixar o poder em 2027, quando teria 86 anos. Mas seus planos foram destruídos pelo Comitê de Ética da FIFA, que o afastou de todas as atividades relacionadas a futebol. A alternativa encontrada por Del Nero foi lançar a candidatura de seu escudeiro, Rogério Caboclo e assim continuar dando as cartas na CBF.

Pelo visto o planejado esta sendo posto em pratica, pois a quem diga que Del Nero continua mandando na CBF. O dirigente que deveria estar afastado do assunto, continua fazendo reuniões que define os rumos do futebol brasileiro, tendo mudado apenas o local onde recebe os dirigentes, em vez de ser na sede da entidade na Barra da Tijuca, usa seu apartamento, também na Barra e muitas das vezes acompanhado por Caboclo.


Caras de poucos amigos em público difere dos bastidores - Crédito: Lucas Figueiredo/CBF

O futuro presidente terá pelo menos dois desafios mais urgentes, se descolar da imagem de Del Nero, seu padrinho politico e construir uma "nova CBF" sobre as bases da "velha CBF". Para ganhar credibilidade o dirigente deveria começar por publicar o estatuto, retirado do site oficial da CBF depois que foi reformado pela última vez. A entidade que manda no futebol brasileiro é governada por regras que ninguém conhece, uma situação que não combina muito com o discurso de "integridade" de seu futuro presidente.

Arbitragem
Na arbitragem, espera se mudanças no comando que devem ser anunciadas, se não no discurso da posse, logo depois.

Segundo informações de uma fonte dentro da CBF, Caboclo demitirá Cel. Marcos Cabral Marinho da presidência da Comissão de Arbitragem da entidade. Segundo ainda esta fonte, o dirigente tentou contratar o ex-árbitro Arnaldo César Coelho para o cargo, mas o ex-comentarista da TV Globo não aceitou o convite. Outras informações dão conta que caboclo manteve conversas com os ex-árbitros Sálvio Spinola Fagundes Filho, Leonardo Gaciba, Sandro Meira Ricci e Paulo César de Oliveira (todos eles comentaristas de arbitragem).

Como informamos anteriormente, Sandro Ricci tem proximidade com a entidade desde que intermediou patrocínio e apoio financeiro da Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional para CBF usar no desenvolvimento do futebol feminino e da arbitragem.

Como ultima informação, o também ex-árbitro e ex-comentarista de arbitragem, Renato Marsiglia, foi visto almoçando com o dirigente na CBF na ultima semana e pode, se não presidir, ser um membro da futura comissão.

Caso confirme sua demissão, Cel. Marinho, deixará o comando da arbitragem brasileira sem ser notado. Sua ausência não será sentida e não deixara nenhuma saudade, pois além do discurso burocrático e politicamente correto, nada de mais pratico foi implantado na sua gestão e o dirigente, que só era visto, como uma alma penada perambulando pelos lugares onde eram realizados atividades da arbitragem, sairá definitivamente de cena da arbitragem, uma categoria que nunca pertenceu e que caiu de *paraquedas!


Blog entende que mudanças na arbitragem já eram para terem sido feitas a muito tempo, mas não apenas de nomes e sim de gestão, de sistema. É claro e cristalino que o atual sistema esta falido, foi implantado a uma década e meia atrás e houve pouco avanço. Toda partida tem erros de arbitragem e quando falo erros, não estou falando os admissíveis, mas sim dos erros crassos, aqueles que mudam o resultado de uma partida e trás tantos desgastes e insinuações contra toda uma categoria.

Por escolhas duvidosas e principalmente pelo pilar apadrinhamentos, hoje a arbitragem está cheia de profissionais sem critériosárbitros caseiros, omissos, medrosos e sem personalidade que cedem à pressões e muitas das vezes, esperam interferências externas para tomarem decisões. Mas a culpa não é só dos árbitros, pois eles não se escalam, a culpa é de quem forma, treina e escala que não esta fazendo seu papel como se deveria.

Essa discussão é longa, mas como o atual sistema não deu resultado esperado e levando em consideração o grande investimento e estrutura disponibilizada, que se faça a mudança, mas que desta vez pense realmente em alguém com força o suficiente para mudar a estrutura, que a competência e projetos sejam levados em consideração e não as estrelas ou divisas na farda como tem sido ultimamente.

A arbitragem está sempre em batalha, mas não precisa de um general no comando!

* A expressão «cair de pára-quedas» significa (in Dicionário da Porto Editora) aparecer de forma inesperada; iniciar determinada atividade sem a mínima habilitação ou preparação prévia.

terça-feira, 19 de março de 2019


Eleições no SAFESP
Guerra de regimentos pode tornar chapas inelegíveis
Arthur Alves e Aurélio Martins lideram chapas irregulares conforme regimento eleitoral

Aparentemente calma, as eleições no Safesp – Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo – esta agitadíssima nos bastidores e nas redes sociais. O clima é o pior possível! Nenhum dos candidatos esta preocupado em debater e apontar soluções para os problemas da categoria e sim em desqualificar e tentar a todo custo tornar inelegível candidatos adversários.

As traições tem sido até aqui o ponto alto do pleito que ainda promete grandes emoções. Quem antes era amigo, sentava à mesma mesa para se beneficiar do sistema, hoje se tornou inimigo cobrando o que defendia e celebrando união entre inimigos contra um inimigo ainda maior.

A chapa 1 – O Safesp é dos árbitros – liderada pelo árbitro Aurélio Santana Martins -, acusa a chapa 2 – Somos todos Safesp – liderada pelo atual presidente Arthur Alves Junior –, de supostas trapaças e aponta o uso de regimento eleitoral sem validade e assinaturas de membros da chapa como motivos.

O regimento eleitoral adotado inicialmente nesta eleição é o mesmo que foi usado nas eleições de 2006, 2010 e 2014, todas elas com chapa única. Este regimento foi aprovado em assembleia geral extraordinária no dia 30 de maio de 2003 e re-ratificado no dia 05 de dezembro do mesmo ano adequando o regimento as mudanças das leis do país a época. Não se sabe os motivos, mas estranhamente o regimento atualizado não foi usado em nenhuma ocasião e só foi tomado conhecimento do mesmo quando foi protocolado pela chapa 1 após inicio do processo eleitoral deste ano.

Outro motivo alegado pela chapa 1 foram as assinaturas na chapa de inscrição dos candidatos a membros do conselho fiscal, José Astolphi e Álvaro Pereira, que a oposição supostamente alegou que teriam sido falsificadas. Questionados, os candidatos informaram que protocolaram documentos com firma reconhecida em cartório confirmando as assinaturas.

Regimento eleitoral da discórdia foi aprovado e re-ratificado em 2003

Por sua vez, a chapa 2 alega que a chapa 1 é inelegível por não atender as exigências do regimento eleitoral aprovado e re-retificado em 2003.

O art. 5º do regimento eleitoral de 2003, entre outros diz que é inelegível o candidato que for árbitro ou assistente em atividades no futebol profissional (e), candidato que não residir na cidade onde estiver instalada a sede administrativa da entidade (h), no caso São Paulo, entre outros menos importantes.

O artigo torna inelegível o candidato a presidente e tesoureiro da chapa 1, Aurélio Santana Martins por residir no município de Jacareí e Fabrício Porfírio de Moura por estar em atividades no futebol profissional.

Apesar de protocolar documento com afastamento da arbitragem, candidata Regildênia Moura continua em plena atividade - foto: reprodução site CBF, FPF e ANAF

Já o mesmo regimento com algumas alterações para atender as leis vigentes a época, diz que o candidato não pode estar em atividade no futebol profissional sem especificar qual função, o que torna, ao pé da letra, as duas chapas inelegíveis. A candidata a vice da chapa 1, Regildênia de Holanda Moura esta em atividade no futebol profissional conforme escalas desta semana da CBF. Já o candidato a presidência e vice da chapa 2, Arthur Alves Junior e Carlos Donizeti Pianosqui, estão em atividades no futebol profissional como também prova as escalas da CBF. Arthur como assessor de arbitragem da CBF e Presidente da Comissão Estadual de Arbitragem da Paraíba e Pianosqui como inspetor de arbitragem da CBF.

Em contato com o Blog, a candidata Regildênia Moura, alegou não atuar no futebol profissional, pois a CBF trata o Campeonato Brasileiro Feminino da primeira divisão como ‘Amador’, o que no entender do Blog, é total falta de respeito com as mulheres e com os clubes que disputam a competição.

Candidato da situação, Arthur Alves Júnior em plena atividade no futebol profissional - Foto: reprodução Globo.com

Não consegui contatar o candidato da situação, Arthur Alves Junior, até o momento da postagem desta matéria.

Os documentos pedindo inelegibilidade foram protocolados pelas duas chapas na Comissão Eleitoral na semana passada que tem até esta quarta-feira (20) para tomar uma decisão, pois a eleição esta marcada para a próxima segunda, dia 25.

Opinião do Blog

A documentação provando as irregularidades das duas chapas é farta e o regimento eleitoral é vago e falho. Sem duvidas deixa margens para varias interpretações e cada candidato tem seus argumentos para afirmar que sua candidatura esta dentro da legalidade, o que me leva a crer que esta eleição dificilmente não terminará nos tribunais.

Conforme as informações e baseado nos documentos expostos acima, entendo que se a comissão eleitoral constituída for formada por pessoas com coragem, isenção e comprometidas com a lisura do pleito, deve tornar inelegível as duas chapas e adotar os procedimentos seguintes conforme regimento eleitoral da entidade.

Presidente da CE, Bruno Aquino de Godoy, terá isenção para interpretar regimento e coragem para decidir com imparcialidade?

Desde o principio do pleito, as duas chapas tiveram ciência das inelegibilidades dos seus membros e mesmo assim resolveram ignorar as normas e peitar o regimento mantendo as candidaturas baseados em argumentos inconsistentes que chega a parecer desdém com os associados e com a entidade.

Nada mais justo que o regimento e as normas aprovadas pela vontade da maioria dos associados reunidos em assembleia seja respeitada e colocada em pratica para que haja legitimidade e lisura no pleito. Qualquer decisão que não seja o indeferimento das duas chapas e abertura de novo processo eleitoral será uma afronta ao regimento eleitoral aprovado pela categoria e entidade que não respeita vontade dos associados não pode ser classificada como séria e democrática.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Hora da verdade!
Eleições no SAFESP, chegou a hora!


O Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (SAFESP) que tem como atual presidente Arthur Alves Junior, marcou para dia 25 de março do corrente ano, eleições para eleger nova diretoria, incluindo conselho fiscal, para quadriênio 2019/2023. O edital convocando associados para assembleia ordinária eletiva foi publica no dia 22/02 no Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOESP) e  também no "Jornal Agora" que é de grande circulação estadual, conforme determina o regimento eleitoral vigente.

Muito se falava e alguns até me questionaram sobre quando seria esta eleição tendo em vista que o atual mandato finda no próximo mês de abril, mas após dar uma rápida verificada nos documentos expostos publicamente, posso garantir que a administração Arthur Alves Junior vem cumprindo o que determina o estatuto social da entidade. 

Cumprindo o regimento eleitoral aprovado pela AGE em 30 de maio de 2003, foi nomeado uma Comissão Eleitoral para coordenar os trabalhos do referido processo democrático de eleições diretas e até o presente momento os atuais membros estão cumprindo rigorosamente os prazos determinados no regimento eleitoral e dando ênfase e transparência aos atos praticados e demais informações pertinentes.

Assim como eu, você pode conferir a portaria que nomeou a referida comissão eleitoral composta dos associados: José Sechele, Bruno Aquino de Godoy e Gilmar Alves e o edital de convocação para as eleições no site da entidade clicando aqui.

Quadro de aviso na sede com composição da comissão eleitoral e Edital das eleições

Estive na última segunda-feira (25) na sede da Federação Paulista de Futebol para uma reunião com Margarete Menezes, responsável pela Corregedoria da entidade para tratar de um outro assunto, e passei na sede do SAFESP, oportunidade em que fui surpreendido com o profissionalismo do processo, onde consta em quadro de aviso o edital das eleições e também a composição da atual comissão eleitoral. 

Para quem esteve lá e não percebeu, o quadro encontra-se na sala de reuniões que fica no piso inferior da entidade e é de livre acesso a todo e qualquer associado, inclusive, caminho para uso do banheiro.

Quem me acompanha por algum canal ou pessoalmente sabe o quanto sou legalista e defensor das instituições e por isso volto a salientar que até o presente momento o processo é exemplar e espero que agora o associado faça a sua parte participando como candidato ou como eleitor para eleger seus representantes da sua entidade sindical de classe.

Chegou a hora da verdade e depois não adianta lamentar e nem ficar reclamando e de mi mi mi em bares, nos vestiários e nas viagens que não é representado! Você associado será o único responsável pelo caminho que sua entidade vai percorrer nos próximos quatro anos.

Tomando café na segunda 25/02 na sede do Safesp


Reeleição???

Acredito que Arthur Alves Junior precisa definir se será candidato a mais uma reeleição no sindicato. Precisa definir de uma vez o que quer e não pode continuar servindo a dois senhores ao mesmo tempo.

Se entender que deve tentar continuar que o faça, mas desta vez precisará ter um plano de extrema renovação, com choque de gestão administrativa, de valorização do associado e total independência da Federação Paulista de Futebol com o compromisso de resgatar a presença do seu associado. Deve definir também em resgatar seu prestígio a nível estadual e nacional ou se continuará respondendo interinamente pelo departamento de arbitragem da Federação Paraibana de Futebol a pedido da CBF.

"Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro".

Mateus 6:24

Ele certamente escolherá o que for melhor para si e sua família, mas precisa definir. Chegou a hora!

Sob olhares dos ex-presidentes Sérgio Corrêa e José Astolphi, Arthur assumiu o Safesp em 08 de abril de 2011 em cerimonia na sede da FPF

Os candidatos

Esta eleição promete grande disputa e alguns nomes  estão sendo especulados nos bastidores. Comentam-se que os ex-árbitros Daniel Destro do Carmo, Leonardo Schiavo Pedalini e José de Assis Aragão, o árbitro Aurélio Santana Martins e a ex funcionaria da FPF Rita de Cassia Spironelli estão articulando chapas para concorrerem ao pleito.

Alguns desses nomes certamente terão dificuldades em concorrer por conta do regimento eleitoral que torna alguns deles inelegíveis.

O prazo de inscrição das chapas termina nesta quinta-feira (28), portanto que os candidatos se apressem, pois não podem protocolar depois do prazo como ocorreu com um árbitro na FPF. Caso isso ocorra, certamente não vai ter nenhum protetor de plantão usando do principio da previsibilidade para dar o famoso jeitinho!

Considerando que amanhã se encerra as inscrições das chapas, a partir da sexta-feira, trarei o perfil dos candidatos e respectivas chapas, inclusive dando a eles a oportunidade neste espaço para apresentarem suas propostas. 

domingo, 6 de janeiro de 2019


A esperança voltou!


É com este sentimento que os árbitros da Federação Paraibana de Futebol (FPF) começam a temporada 2019. O diretor interino do departamento de arbitragem, Arthur Alves Junior (camisa verde na foto acima), com sua experiência, levou ao quadro local a organização técnica e documental necessária. Com atitudes de gestão e valorização humana, o dirigente vem conseguindo resgatar e de fato iniciar um trabalho frente ao grupo desgastado por diversas denuncias nos últimos anos e recentemente pelo escândalo de manipulação de resultados batizado de ‘Operação Cartola’.

Em fato inédito no Estado, mas procedimento adotado na maioria das federações do país, a atual comissão abriu edital para recebimento de inscrição dos árbitros para atuarem como prestadores de serviços autônomos nas partidas profissionais e amadoras da FPF. Para se inscrever para prestar serviços, o árbitro tem que comprovar  'nada consta' em processos cíveis e criminais e não ter nome no cadastro do SPC/SERASA entre outras exigências.

Arthur buscou parceria com o sindicato local, conseguiu aumento real de taxas de arbitragem e organizou uma pré-temporada de três dias com todo o novo quadro, oportunidade em que os pilares físico, técnico, psicológico e social estão sendo trabalhados.

Com o apoio da CBF, que desde a interdição não mediu esforços em resgatar a credibilidade do futebol local, inclusive em áreas como departamento técnico, de competições e de registro, o departamento de arbitragem recebeu material e incentivo e por conta deste apoio, está realizando desde a ultima sexta-feira (4) até este domingo (6), pré-temporada com sessenta árbitros e assistentes visando o Campeonato Estadual que começa a partir do próximo dia 12. Os trabalhos estão sendo intenso para unificar as informações e principalmente proporcionar uma discussão sobre as regras do futebol e para que haja um processo de reciclagem constante do quadro de árbitros da Paraíba.


As atividades estão acontecendo em João Pessoa, no Centro de Treinamento Ivan Thomaz, no Valentina Figueiredo e a Vila Olímpica Parahyba, no Bairro dos Estados com a presença dos instrutores Paulo Camelo e Cláudio José (CBF).

Outra articulação que deu resultado muito positivo foi à inscrição do ótimo árbitro paulista Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza, que não pode permanecer em São Paulo devido ter atingido a idade limite. A Federação Paulista de Futebol, com exceção de integrantes da lista FIFA, não aceita em seu quadro de arbitragem árbitros acima de 45 anos.

Marcelo Ribeiro, com sua vasta experiência contribuirá e muito para a evolução de seus novos companheiros de trabalho e com toda humildade está participando da pré-temporada local, inclusive, fazendo novamente o teste físico, que não seria necessário, pois realizou recentemente o da Federação Paulista e também o da CBF.

Marcelo Aparecido com os assistentes Rafael Guedes e Flávia Renally durante amistoso preparatório visando temporada 2019 entre Botafogo e Serrano

É compreensível a forte resistência de corvos agourentos que como se santo fossem, buscam fatos do passado para denegrir e desqualificar um profissional que, de fato errou, reconheceu, aprendeu e vem, assim como a arbitragem paraibana, buscando não ser perfeito, mas evoluir, melhorar e toda semana se desloca até o distante estado para realizar um trabalho que vem sendo bem aceito por quem quer mudar, quem quer evoluir visando não só o seu futuro, mas de toda arbitragem paraibana e não apenas daqueles que preferem covardemente jogar pedras na vidraça para usufruir de beneficies vindas do quanto pior melhor!

Pelas informações, o trabalho até aqui esta sendo realizado de forma profissional, com competência e merece meus aplausos. É a luz no fim do túnel para a arbitragem paraibana que como uma fênix esta sangrando, cortando a própria carne, extirpando os sangues sugas para renascer honesta, forte e saudável.

Que o sentimento de esperança, que os novos ares da administração da entidade paraibana norteiem a todos do futebol e da arbitragem local.

Como meu compromisso é com a verdade, critico e aponto falhas, faço denuncias, mas, também mostro as coisas boas da arbitragem e sei reconhecer e dar méritos quando necessário.

Estou de olho!

Veja abaixo mais imagens da pré-temporada.

Fotos: Alenio Junior - (@aleniofotografia)











Fotos: FPF